Sabemos que filmes “estrangeiros”, ou seja, que não são da indústria americana, têm pouca vez no mercado nacional. Quando chegam por aqui costumam ficar restritos somente às salas de “cinema de arte” e poucas vezes vão muito além disso. Muito se perde com isso, principalmente em se tratando de cultura, ficamos reféns de um cinema enlatado ou então temos que buscar maneiras de assistir coisas diferentes, nem sempre nas melhores condições.

Os Filhos do Padre, do diretor Vinko Bresan, é um filme croata, país com pouca tradição cinematográfica. São raras as vezes em que se tem a oportunidade de conferir um filme de lá por aqui, e quando ela existe, é nesse esquema, com distribuição tímida. Entretanto é um filme que provavelmente se sairia bem no mercado se fosse lançado dignamente.

Os Filhos do Padre é uma comédia gostosa de assistir, daquelas ótimas para se ver em um domingo a tarde. O filme nos conta sobre um padre que vive em um pequeno vilarejo onde a natalidade é quase nula e a mortalidade segue a diminuir a população de lá; em uma artimanha com o vendedor de camisinhas, decide furá-las para que a população volte a crescer. E assim o filme se desenvolve com um humor característico e dando também suas alfinetadas, principalmente na igreja. O filme trata também de assuntos mais sérios e sabe muito bem dosar o clima nestes momentos.

Com personagens muito bem construídos, Os Filhos do Padre foi sucesso de público no país, o segundo maior da história (o primeiro foi outro filme do mesmo diretor). Não é um filme pretensioso, não se esforça para isso em nenhum sentido. É entretenimento muito bem feito e que sabe utilizar bem os espaços para também fazer algumas críticas.

Infelizmente poucos terão o prazer de curtir Os Filhos do Padre em um cinema. Mas fica dada a dica para que, quem não morar em grandes cidades tiver alguma outra oportunidade de assistir, deve providenciar uma boa sessão.

Assista ao trailer de Os Filhos do Padre

Anúncios