Há muitos filmes sobre grandes trapaças em Hollywood. Burlar o sistema pode gerar boa bilheteria e boas narrativas se o suspense for bem construído. Contudo não é o que acontece em Trapaça (American Hustle) de David O. Russell. O filme passa 120 minutos procurando êxito em um modelo que lembra muito as produções de Martin Scorsese, porém sem a mesma força e impacto do “original”. Talvez o problema esteja em seu roteiro, uma construção pedante de acontecimentos no qual é fácil prever o final.

Baseado na parceria entre os vigaristas Irving Rosenfeld (Christian Bale) e Sydney Prosser (Amy Adams), Trapaça  foca o momento em que ambos são recrutados pelo FBI para desmascarar uma rede de corrupção envolvendo políticos de New Jersey e a máfia. As iscas do agente do FBI Richie DiMaso (Bradley Cooper) trabalham em prol de uma redução da própria pena. Os bandidos viram mocinhos ao som de clássicos dos anos 70, personagens que desfilam em câmera lenta por diversos momentos, uma linguagem estética que nem a cantora Beyoncé utilizaria tanto nos próprios videoclipes.

O início narrado em off, onde os personagens apontam percepções da situação, de si mesmos e de outros é mais um recurso empregado em filmes de Martin Scorsese, além do zoom in que acelera o plano. Não que todas as características técnicas tenham sido inventadas por Scorsese, pois não foram, mas ele já as emprega como padrão narrativo há um bom tempo.  O destaque de Trapaça fica para o figurino que reproduz muito bem a extravagância dos anos 70. O cabelo e as roupas de Irving e Richie enfatizam a figura do homem metrosexual, vaidoso e preocupado com a aparência antes de aplicar qualquer golpe.

Trapaça faz o caminho de Argo, um filme de boa técnica mas com momentos vazios. Porém ao contrário do grande vencedor do ano passado, a produção de Russell tem poucas chances de receber os principais prêmios do Oscar. Mesmo Jennifer Lawrence que aparece bem, não evoluiu tanto do papel anterior em O Lado Bom da Vida. Por fim concluímos que os fãs de Scorsese não cairão fácil na Trapaça de David O. Russell, mesmo que ele a apresente como uma singela homenagem ao mestre.

Assista ao trailer de Trapaça

Anúncios