Nada mais chato e entediante do que uma premiação sem surpresas, fadada a previsibilidade. Ao contrário do ano passado, quando muitos ficaram boquiabertos com o triunfo de Guerra ao Terror sobre Avatar, esse ano a única que se surpreendeu foi Melissa Leo ao ser anunciada como melhor atriz coadjuvante. A festa careta da indústria do cinema consegue piorar quando tenta “renovar” utilizando novos apresentadores. Anne Hathaway e James Franco formaram uma dupla desentrosada e apelativa em alguns momentos. Não bastasse o ano fraco, a ponto de muitos considerarem Toy Story 3 como o melhor do ano, eis que um filme inglês triunfa na cerimônia americana.

Sobrou O Discurso do Rei, de estrutura clássica, pomposo, realizado com a excelência inglesa. Pesa a favor o pano de fundo histórico, já que a academia gosta de premiar produções que façam referência a Segunda Guerra Mundial. Mesmo os críticos do filme de Tom Hooper devem reconhecer o primor técnico e as ótimas atuações de Colin Firth (melhor ator) e Geoffrey Rush (indicado). Quem sentiu a presença inglesa na cerimônia foi a produção de David Fincher que de importante abocanhou apenas o prêmio de Melhor Roteiro Adaptado, merecido, a julgar pelo livro e sua incompletude dos fatos.

Christian Bale não ganhou o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante apenas pela perda de peso mas pela composição carismática do boxeador Dicky Eklund. Não acredito que tal façanha se repita, a menos que Bale volte a surpreender. Natalie Portman garantiu sua primeira estatueta, não há dúvida que sua personagem também era carta marcada na premiação. O diretor de Toy Story 3 foi com o discurso pronto ao receber o prêmio de Melhor Animação, demonstrando que mesmo com bons roteiros existem a Pixar e os demais.

Encerrando a noite A Origem levou o que pôde nas categorias técnicas para desespero de Chistopher Nolan que já sorri amarelo quando em destaque. Uma pena que os irmãos Coen tenham voltado de mãos vazias para casa. A refilmagem de Bravura Indômita é excelente, porém deve ter pesado o fato do filme ter a marca de John Wayne, ganhador do Oscar de melhor ator em 1970. Inverno da Alma também não foi laureado pelo careca dourado. O destaque fica para a categoria Melhor Documentário onde Inside Job desbancou Lixo Extraordinário e Exit Through the Gift Shop. Parece que a crise econômica ainda faz sucesso entre os votantes da academia.

Sem o respaldo dos índices de audiência classifico a transmissão como uma das mais fracas que já assisti. Talvez a idade e a paciência estejam começando a denunciar – o Oscar virou uma rotina de luxo.

Lista dos Vencedores – Oscar 2011

Melhor filme
“O Discurso do Rei”

Melhor diretor
Tom Hooper (“O Discurso do Rei”)

Melhor Ator
Colin Firth (“O Discurso do Rei”)

Melhor atriz
Natalie Portman (“Cisne Negro”)

Melhor ator coadjuvante
Christian Bale (“O Vencedor”)

Melhor atriz coadjuvante
Melissa Leo (“O Vencedor”)

Melhor roteiro original
“O Discurso do Rei”

Melhor roteiro adaptado
“A Rede Social”

Melhor filme de animação
“Toy Story 3”

Melhor filme estrangeiro
“Em um Mundo Melhor” (Dinamarca)

Melhor fotografia
“A Origem”

Melhor edição
“A Rede Social”

Melhor direção de arte
“Alice no País das Maravilhas”

Melhor figurino
“Alice no País das Maravilhas”

Melhor maquiagem
“O Lobisomem”

Melhor trilha musical
“A Rede Social”

Melhor canção original
“We Belong Together” (“Toy Story 3”)

Melhor mixagem de som
“A Origem”

Melhor edição de som
“A Origem”

Melhores efeitos visuais
“A Origem”

Melhor documentário
“Trabalho Interno”

Melhor documentário de curta
“Strangers No More”

Melhor curta de animação
“The Lost Thing”

Melhor curta de ficção
“God of Love”

Anúncios